Blog

Energias renováveis: uma tendência mundial 

Com a urgência da adoção de medidas sustentáveis batendo cada vez mais à porta, as energias renováveis se tornaram uma tendência no mundo todo. As fontes solar e eólica têm acumulado recordes de crescimento nos últimos anos e devem continuar em alta

A natureza sempre forneceu os melhores meios para a sobrevivência humana. E mesmo após décadas acumulando descuidos com ela, é dela que vêm as soluções para garantir as vidas futuras. 

No caso da produção de energia, é no sol e no vento que se encontram as respostas para diminuição das emissões de gases do efeito estufa e com isso a desaceleração das mudanças climáticas. Não à toa, a solar e a eólica – fontes de energia limpas e renováveis – são as maiores apostas dos países ao redor do mundo. 

Para além da questão ambiental, há outros fatores que podem ser somados para tornar as fontes renováveis uma tendência mundial. Como a segurança de suprimento energético, variedade da matriz e economia.

Aposta nas renováveis: questão de sobrevivência

Todo o descompasso gerado pelas ações humanas na natureza resultou em eventos climáticos extremos, crises hídricas e de alimentos. Situações que ameaçam a vida na Terra. 

Segundo um relatório da ONU, elaborado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e apresentado em março de 2023, até o final do século a temperatura do planeta deve ficar 1,5Cº acima dos níveis pré-industriais. 

E para limitar o aumento a esse número – que já não é bom – é preciso  tomar medidas que reduzam as emissões de gases do efeito estufa pela metade, até 2030. É difícil, mas ainda é possível, segundo os cientistas.

O relatório também propõe algumas ações para diminuir ou acabar com a emissão de gases. Uma delas está relacionada com a produção de energia, através do incentivo às fontes renováveis, como é o caso da energia solar, que não emite dióxido de carbono, nem outros gases do efeito estufa. 

  • Crescimento de 9,6% das renováveis no mundo

Em 2022, a capacidade global de geração de energia renovável cresceu 295 GW (9,6%), chegando a 3.372 gigawatts, com destaque na nova capacidade de geração para as fontes solar – principalmente fotovoltaica –  e eólica, que aumentaram sua capacidade em 22% e 9%, respectivamente. Mas a hidrelétrica ainda detém a maior parcela. 

A soma das renováveis representou mais de 80% de toda a energia inaugurada no ano. Os dados são da Agência Internacional de Energia Renovável (Irena). 

A grande geração de energia renovável ainda está mais concentrada na Ásia, que liderou as adições no ano passado com destaque para a China (141 GW), também a Europa e os EUA

Nos últimos anos recordes de crescimento vêm sendo registrados nesse setor, com tendência a continuar. Tudo isso devido ao forte apelo à adesão de fontes sustentáveis, a economia gerada, facilitação de crédito, evolução do mercado, maior conhecimento por parte da população e, consequentemente, maior acesso a elas, principalmente à energia solar. 

  • América Latina

As expectativas são boas para os países da América Latina. Puxada pelo Brasil, a região tende a se tornar uma potência das energias renováveis em poucos anos. 

A informação é embasada pelo relatório da Global Energy Monitor (GEM), que acompanha o desenvolvimento da energia limpa no mundo. Segundo a organização, as fontes solar e eólica devem expandir a produção em mais de 460%, até 2030 no território latino americano.

  • Brasil 

A maior parte da matriz elétrica brasileira é composta por fontes renováveis (hídrica, solar e eólica), o Brasil está à frente de muitos países nesse quesito. Mas, ainda muito precisa ser feito para que haja uma boa diversificação energética e se alcance as metas de sustentabilidade ambiental e acesso à energia por toda a população. 

Este ano, o país lançou seu primeiro complexo associado de energia (solar fotovoltaica e eólica). O Complexo Renovável Neoenergia fica em Santa Luzia, interior da Paraíba e vai abastecer 1,3 milhão de residências por ano. A medida visa fomentar a diversificação do parque de geração de energia do país, com mais energia limpa. 

Brasil no top 10 de produção de energia solar

Após encerrar o ano de 2022 com 24GW de potência instalada, o Brasil chegou pela primeira vez no ranking dos 10 maiores produtores mundiais de energia solar, assumindo a 8º posição – escalada de cinco posições desde 2021. 

À nossa frente estão a China (392 GW), Estados Unidos (111 GW), Japão (78,8 GW), Alemanha (66,5 GW), Índia (62,8 GW), Austrália (26,7 GW) e Itália (25 GW). Atrás estão Holanda e Coréia do Sul.

O Brasil também é o maior produtor da América Latina e, internamente, a solar é a segunda fonte mais representativa da matriz elétrica, atrás apenas da hídrica. Posto confirmado no início de 2023, após um ano marcado pelo maior crescimento do setor (mais de 60%) –  no último semestre de 2022, a energia solar cresceu em média 1GW por mês. Sem dúvida, foi o destaque das renováveis no país no ano que passou. 

No que se refere à sustentabilidade, só a energia solar ajudou a evitar que 33 milhões de toneladas de gás carbônico fossem jogadas na atmosfera, na última década, no Brasil. 

Para além da questão ambiental

Segurança energética e economia são motivos bastantes fortes, que somados à sustentabilidade e outros fatores, impulsionam o crescimento das energias renováveis ao redor do planeta. 

Um exemplo recente é a aceleração da busca desses meios pela União Europeia e outros países frente à Guerra da Ucrânia. Em 2022, a UE bateu recorde de produção solar e eólica, para diminuir a dependência do gás russo. Entre março e setembro do ano passado, o bloco economizou R$ 514,5 bilhões em importações de gás, com o crescimento da capacidade de energia renovável. 

A geração de energia verde também aumenta a produção de emprego nos países, atrai novos investimentos e ajuda a economia a girar. Um dado da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) revela que desde 2012 a energia solar gerou R$128 bi em investimentos e quase 784 mil empregos em território brasileiro. 

Quando se trata de economia dentro de casa, a questão financeira fica mais fácil de se compreender. No caso da energia solar fotovoltaica, por exemplo, que vem demonstrando maior crescimento nos últimos anos, um produtor consegue, com a Geração Distribuída, economizar mais de 90% na conta de luz

Não é difícil entender porque as pessoas estão aderindo cada vez mais à produção própria de energia, não é mesmo?
Se você também quer saber mais sobre os benefícios da energia renovável, especialmente a solar, a equipe da Solar Vale Energia e Sustentabilidade pode ajudar, basta entrar em contato pelos canais disponibilizados no site.

Relacionados

Newsletter

Fique por dentro de todas as novidades da Solar Vale